domingo, 24 de julho de 2016

Línguas do céu


As premissas de todo cessacionista se baseiam basicamente em a) Todas as línguas do Novo Testamento são humanas. b) Nenhuma língua atual é linguagem humano, portanto c) as línguas já não são mais um dom concedido a Igreja pelo Espirito Santo. 

Sam Storms (calvinista carismático assim como Jonh Piper) em seu livro "Dons espirituais" diz ter conversado com muitas pessoas que falam de situações inegáveis, em que muitas vezes no campo missionário, crentes falaram em uma língua humana genuína, sem ter tido qualquer exposição anterior a ela e sem jamais estudá-la. Estou inclinado a acreditar nessas pessoas. Mas a questão mais importante é saber se a premissa inicial dos cessacionistas está correta, ou seja, todas as línguas do Novo testamento eram uma linguagem humana ?

O único texto em que falar em línguas consiste em falar em línguas estrangeiras anteriormente desconhecidas porque aquele que as fala é Atos 2. Esse é um texto importante, mas não há qualquer razão para pensar que Atos 2- em vez de digamos, 1 Coríntios 14- é o padrão pelo qual todas as ocorrências do falar em línguas também devem ser julgadas obrigatoriamente. Outros fatores sugerem que as línguas também poderiam ser uma fala celestial. 

Pra começar, se o falar em línguas é sempre uma língua estrangeira que serve de sinal para os incrédulos, porque as línguas descritas em Atos 10 e Atos 19 são faladas na presença somente de crentes?! Note, também, que Paulo descreve vários tipos {ou "espécies"} de línguas (gene glosson) em 1 Coríntios 12.10. É improvável que ele estivesse falando de uma variedade de línguas humanas diferentes, pois quem jamais teria argumentado que todas as línguas eram apenas idiomas humanos, como grego, alemão ou hebraico ? Suas palavras sugerem a existência de categorias de falar diferentes, talvez linguagens humanas e linguagens celestiais. 

Em 1 Coríntios 14.2 "não fala aos homens, mas a Deus". Mas se as línguas são sempre idiomas humanos, Paulo está enganado, pois "falar aos homens, é precisamente o que a linguagem humana faz! Se o falar em línguas é sempre em um idioma humano, como Paulo poderia dizer "... ninguém o entende" (1 Cor. 14.2). Se as línguas são idiomas humanos, muitos poderiam entende-las, como aconteceu no Pentecostes em Atos 2.8-11. Isso se aplicaria principalmente a Corinto, uma cidade portuária cosmopolita multilíngue, frequentada por pessoas de numerosos dialetos. Além disso, se o falar em línguas é sempre uma linguagem humana, então o dom de interpretação seria aquele para o qual, não seria necessária qualquer operação, capacitação ou manifestação especial do Espirito Santo. Qualquer pessoa multilíngue, como Paulo, seria capaz de interpretar as línguas faladas simplesmente em virtude de sua formação educacional.   

Gordon Fee citou evidencias em certas fontes judaicas antigas de que se acreditava que os anjos tinham suas próprias línguas ou dialetos celestiais e que, por meio do Espirito, alguém poderia fala-las. Fazemos menção em particular, ao Testamento de Jó, no qual as Três filhas de Jó colocam faixas celestiais dadas a elas como herança de seu pai, por meio das quais elas eram capacitadas a louvar a Deus em linguagens celestiais (ver Testamento de jó 48 a 50).  Forbes argumenta que " o que o Testamento fornece, são evidencias claras de que um conceito de línguas angelicais como um modo de louvor a Deus era um conceito aceitável em certos círculos. Como tal, ele é o nosso paralelo mais próximo da glossolalia. 

Alguns cessacionistas argumentam que 1 Cor. 14 10-11 prova que todas as línguas faladas também são humanas devido a analogia de Paulo. Mas o objetivo da analogia, é afirmar que as línguas funcionam do mesmo modo que línguas estrangeiras, não que as línguas são línguas estrangeiras. O argumento de Paulo é que o ouvinte é incapaz de entender as línguas sem interpretação, tanto quanto é incapaz de entender uma pessoa falando uma língua estrangeira. Se as línguas fossem uma língua estrangeira, não haveria necessidade de uma analogia. 

A declaração de Paulo em 1 Cor. 14-18 "falo em línguas mais que todos vocês" é uma evidencia de que as línguas não são idiomas estrangeiros. Como Grudem observou: " se elas fossem línguas estrangerias conhecidas que poderiam ser compreendidas por estrangeiros, assim como foi no Pentecostes, porque Paulo falaria mais que todos os Coríntios em particular, onde ninguém entenderia, em vez de falar na igreja, onde os visitantes poderiam entender?" Por fim, se o falar em línguas for sempre em linguagem humana, a declaração de Paulo em 1 Cor. 14:23 não seria necessariamente verdadeira. Qualquer descrente que conhecesse a língua falada, iria provavelmente concluir que o falante era muito culto e não louco.

Diego Vicente Fernandes

domingo, 20 de março de 2016

Como conheci o Calvinismo

Eu sempre fui cristão. Isso significa que nasci numa família protestante, mas o termo mais utilizado para ilustrar isso é evangélico, pois os protestantes no Brasil são mais conhecidos como evangélicos.

Lembro-me que meu pai era pastor de uma pequena igreja pentecostal, mas por conta de mudanças doutrinárias, saiu da liderança e procurou uma congregação mais conservadora, acabamos indo para Assembleia de Deus, ministério do Brás.

Aos doze anos, nessa nova congregação, envolvi-me  com o grupo de louvor e comecei a tocar violão nos cultos, foram anos de muita empolgação, mas pouca doutrina, ou melhor, a liderança dessa igreja era fraca, e não ensinava a Escritura de forma sistemática e profunda, e como consequência, nunca tive interesse em ler a Bíblia. 

Minha devoção era uma mistura de entusiasmo por participar do grupo de louvor com esperança de um “mover sobrenatural” que supostamente acontecia nas festas comemorativas. Eu era como um paralítico ao lado do Tanque de Betesda, esperando o anjo descer com minha benção nestes Congressos (João 5:1-9). 

Mas não foi nestes Congressos que  a minha concepção de fé mudou, mas em um culto de domingo.
Foi em um culto de domingo, que o líder dos jovens decidiu apresentar uma peça de teatro. 

Naquela época apresentação de teatro dentro da liturgia não era algo comum. Na minha mente, usar teatro dentro da igreja me incomodava, não soava ser lícito apresentar um espetáculo artístico durante o culto, nessa época eu tinha dezenove ou vinte anos (hoje tenho 31), tinha certeza que aquilo era uma postura nada cristã, mas não sabia como provar isso.

Por conta deste incômodo fui procurar respostas na internet. Foi então que me deparei com um texto sobre teatro, no blog Púlpito Cristão, e o assunto principal do texto era quão problemático é inserir na liturgia peças teatrais.

Depois de alguns dias, voltei neste blog, e percebi que o canal produzia diversos textos de conteúdo apologético, além de noticiar e comentar sobre acontecimentos do meio evangélico. Foi aí que fui tentado a comentar as matérias do blog, sim, comentar na internet é uma enorme tentação, e naquele momento meus comentários tinham como fim o "ter razão", ou seja, eu opinava para minha própria glória.

Não me lembro de como ocorreu, mas este blog me fez ter contato com uma comunidade do Orkut, chamada "Perguntas Cristãs Complicadas", e foi ali que tive meu primeiro contato com o Calvinismo. Nessa comunidade de debates, havia militantes de todas as religiões, mas naquela época, as doutrinas que estavam em evidência eram as cristãs. 

De um lado arminianos do outro lado calvinistas. Aquela época foi o ápice dos debates virtuais, ou como já classifiquei, ali começava a Primeira Onda Calvinista Virtual.

Logo estes debates migraram para os blogs. Os debates eram tão intensos que alguns blogs tinham um ranking para demonstrar quem comentava mais, e mais, debatíamos até por email. 
Como a maioria dos evangélicos, eu era sinergista,  e combatia ao lado dos arminianos. E foram os ataques dos calvinistas que me levaram a estudar teologia.

No começo dos estudos teológicos, li muito a respeito da teologia arminiana, mas também estudava muito o calvinismo, claro, estudava o calvinismo para tentar refutá-lo. 

Mas a tensão dentro de mim entre o calvinismo e o arminianismo começou a aumentar. Além de conhecer alguns calvinistas que ensinavam as doutrinas da graça com maestria, quanto mais estudava o calvinismo, mais assimilava sua doutrina e cosmovisão. Em pouco tempo já concordava com o calvinismo, mas continuava sendo arminiano, pois o orgulho não me deixava assumir a cosmovisão calvinista.

A cada dia era bombardeado mais e mais com o calvinismo, foi então que o orgulho cedeu em relação à verdade, e me assumi calvinista, e logo comecei a militar do lado calvinista. 
A paixão pelo calvinismo foi tão grande, que no ano de 2010 tive a oportunidade de me matricular em um curso superior de teologia, numa Universidade Calvinista.

O curioso é que neste curso, numa sala de 44 alunos, apenas dois eram Calvinista, e lá estava eu, agora do lado calvinista, com a missão de “catequizar” os arminianos.

Anos se passaram, muita coisa mudou na minha vida e na internet, mas continuo na missão, se posso chamar assim, “catequizando” os cristãos (arminianos e afins)  para que possam crer nas doutrinas da graça.

A diferença é que antes eu tentava mudar as pessoas para a minha própria glória, hoje faço isso para a glória de Deus.

sexta-feira, 11 de março de 2016

Cinco questões sobre Teonomia.


Um dos problemas recorrentes dentro das discussões teológicas é a falácia do espantalho. Este sofisma consiste em ignorar a posição ou explicação teológica do adversário e substituindo tal posição por uma versão distorcida, que representa de forma errada a posição apresentada.

Esta forma de raciocínio capcioso não é apenas comum entre teólogos amadores, pelo contrário, tal prática é muito habitual entre os teólogos e pastores renomados.

Alguns cometem este erro por simples desonestidade, mas outros cometem por falta de estudo, e quando digo falta de estudo, não suponho que estes teólogos amadores e veteranos são péssimos estudiosos, mas admito que eles, além de não usarem fontes primárias relevantes sobre o comentado, ignoram-nas, e acabam usando fontes secundárias problemáticas ou até mesmo distorcidas.
Para lutar contra os espatalhos teológicos feitos sobre o tema Teonomia, formulei cinco respostas simples e diretas, em cima de perguntas feitas em grupos reformados

1 - O que é teonomia?

A palavra Teonomia é composta pelas partículas, "Teo" e"Nomia". “Teo aponta para o termo grego “Theos” que sigfnica literalmente Deus, e a partícula “Nomia” remete ao grego “Nomos” que literalmente significa “Lei”, logo, o termo Teonomia deve ser entendido como “Lei de Deus”.

Ao contrário da Autonomia, que supõe que a moral, política, filosofia, bioética e outras áreas do conhecimento são estabelecidas a partir do indivíduo, a Teonomia coloca Deus no centro e propõe glorifica-lo em todo campo de estudo humana.

A Teonomia é uma visão ética cristã que afirma que a lei de Deus revelada na Escritura, tanto no Novo quanto Antigo Testamento, é o único padrão de autoridade, de verdade e justiça.

A cosmovisão Teonômica apresenta a Bíblia como o único padrão aceitável para julgar o que é correto e o que é errado em relação à realidade criada.

Toda decisão ética em si, assume alguma autoridade ou padrão, e essa será uma lei autônoma ( lei independente de Deus) ou teonômica (Lei de Deus), por este motivo é algo extramente equivocado legislar sem a visão teonômica, ou melhor, ordenar ou preceituar leis a partir da autonomia coloca a opinião e ponto de vista humano no centro, e como a comovisão humana muda segundo o curso deste mundo, toda base autônoma é como uma enorme montanha de relativismo. Este é um dos motivos que implica que, todos cristãos devem adotar a visão Teonômica como padrão, pois, somente a palavra do Senhor (Escritura) tem a suprema e imutável autoridade e padrão para todas as ações e atitudes de todos os homens em todas as áreas da vida.

2 - Como saber quais as leis do AT deve ser considerado para os dias de hoje e quais foram específicas para a uma época ou nação?

Grande parte dos cristãos brasileiros tem dificuldade em compreender como a Lei de Deus deve ser aplicada nos dias de hoje. Uns vão dizer que apenas as Leis confirmadas pelo Novo Testamento estão vigentes, outros vão concluir que somente as Leis Morais continuam válidas, e infelizmente os dois grupos erram.
Para facilitar o entendimento da Lei de Deus é preciso classificar os preceitos registrados no Antigo Testamento, a melhor classificação é:

1 - A Lei Civil ou Judicial- Representa a legislação dada por Deus a Moisés com a finalidade de regular a sociedade, estabelecendo obediência externa, ordem e punição aos malfeitores.
Ex. Punição do Estupro (Dt 22:25), Blasfêmia contra Deus (Lv 24:14), Pena de morte para prática de homossexualismo ( Lv. 20:13)

2 - A Lei Religiosa ou Cerimonial - Tinha a finalidade de impressionar aos homens a santidade de Deus e concentrar suas atenções no Messias prometido, ou seja, essas leis apontavam para Cristo.
Ex: Sacerdócio Levítico (Nm 18.1-7), Santuário/tabernáculo terrestre (Ex 25.1-9), Sacrifícios de animais (Ex 20.24).

3 - A Lei Moral - Representa a vontade de Deus para com o homem, no que diz respeito ao seu comportamento e seus deveres principais.
Ex: Não terás outros deuses diante de mim (Ex. 20.3), Amarás o teu próximo como a ti mesmo (Lv 19.17-18). Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração (Dt 6.5).

Até a obra de Cristo ser consumada na cruz, estes três tipos de leis norteavam o povo de Deus de forma direta, mas na cruz, Cristo resignificou a Lei Cerimonial, que na Antiga Aliança apontava para o Messias.

A Lei cerimonial continha diversos ritos, costumes e cerimônias que eram somente sombras e tipos que apontavam para uma situação temporária em Israel, mas que com a vinda de Cristo, se cumpriram. A única razão pela qual estes mandamentos antigos eram aceitáveis a Deus era a prometida redenção em Jesus Cristo (Heb. 10.1).

Com a morte e ressurreição de Cristo o significado das Leis cerimoniais não foi anulado, mas não estamos mais sob a obrigação destas leis, pois os ritos, costumes e cerimônias se cumpriram em Cristo. A essência do rito continua conosco, mas foi abolida sua observância externa (Col. 2.10-17 - Heb 8.3-6,10.1).

Logo, as leis de devem serem observados na Nova Aliança são: Leis Morais e Leis Civis. Essas leis têm como função convencer todos os homens de serem culpados do pecado (Rm 3.20; 5.20), ensinar aqueles que são justificados pela fé em Cristo sobre o que seguir e o que evitar e também como devem cultuar a Deus (Sl 19.7-8; 119.105) e reprimir os desordeiros e refrear os ímpios, além de trazer de forma clara quais são as punições eficazes para o mal feitor (1 Tm 1.9-10).

3 - Quais seriam as maneiras de implantar a teonomia nos dias de hoje?

Antes de responder essa questão, é necessário pontuar que a cultura evangélica brasileira é extremamente pessimista, ou seja, o pensamento cristão brasileiro é norteado pela ideia de que Jesus está às portas, ou melhor, o arrebatamento é iminente, logo, um cristão genuíno não deve tentar melhorar este mundo, como se um cristão ativista fosse uma espécie de infiel, que não observa a Lei de Deus e tenta mudar uma realidade que está fadada ao fracasso.

Realmente, alguns posicionamentos escatológicos pregam que este mundo está caminhando para a perdição, mesmo nessa condição, influenciar a política, cultura e o judiciário, não é algo irrelevante. Quem deseja viver em um país miserável? Mesmo sabendo que o mundo pode ruir a qualquer momento, dificilmente alguém responderá essa questão com um enorme “SIM, EU DESEJO VIVER EM UM PAÍS MISERÁVEL”.

A igreja de hoje limita o Evangelho a poucas proposições, e não transmite uma mensagem de Boas Novas abrangente, ou que alcance todas as áreas de nossa vida. Pregar um evangelho que deixa de influenciar a família, a igreja, a cultura, a política, o judiciário e as nações é um Evangelho deficiente. Além do mais, as esferas citadas não existem independentemente dos indivíduos, toda instituição é influenciada pelo indivíduo, e estes indivíduos ou trazem influencias a partir da verdade (Escritura) ou a partir de si mesmo (Autonomia), logo, todos são responsáveis e devem influenciar.

A doutrina bíblica ensina que o homem foi criado com um propósito na terra e na história: dominar a terra (Gn 1.26-28). Teólogos chamam isso de Mandado de Domínio ou Mandato Cultural. O homem deve trazer a ordem de Deus para cada canto da criação e construir cada aspecto de sua cultura ou sociedade conforme os requerimentos de Deus.

Partindo deste pressuposto, a Teonomia deve ser implantada a partir da influencia dos cristãos no dia-dia, desde a pregação do Evangelho, quanto à conscientização intelectual e política. O cristão deve se filiar a rádios comunitárias, ONGs, bases políticas comunitárias, política, sindicatos, organizações governamentais e toda instituição secular ou não que possa ser influenciada para que a mudança da realidade ocorra, assim, a mensagem bíblica Teonômica deve nortear essa influencia cristã.
Como o Apostolo Paulo nos ensinou:

“Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança. Ora, o Deus de paciência e consolação vos conceda o mesmo sentimento uns para com os outros, segundo Cristo Jesus. Para que concordes, a uma boca, glorifiqueis ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo. Portanto recebei-vos uns aos outros, como também Cristo nos recebeu para glória de Deus. Digo, pois, que Jesus Cristo foi ministro da circuncisão, por causa da verdade de Deus, para que confirmasse as promessas feitas aos pais; e para que os gentios glorifiquem a Deus pela sua misericórdia, como está escrito: Portanto eu te louvarei entre os gentios, E cantarei ao teu nome. E outra vez diz: Alegrai-vos, gentios, com o seu povo. E outra vez: Louvai ao Senhor, todos os gentios, E celebrai-o todos os povos. Outra vez diz Isaías: Uma raiz em Jessé haverá, E naquele que se levantar para reger os gentios, os gentios esperarão”. (Romanos 15:4-12)

A menos que a Igreja comece influenciar o mundo, em todas as esferas, continuará a fracassar; e não haverá “discipulado” que possa salvá-la.

4 - Por que Jesus não condenou ao apedrejamento a mulher adúltera?

Jesus estava ciente daquilo que foi prescrito na Lei de Deus em relação ao adultério e em nenhum momento agiu contra aquilo que foi ensinado no Antigo Testamento, pois Cristo, de maneira nenhuma transgrediu a Lei, pelo contrário, Cristo cumpriu-a por completo (Rom. 5: 17-19).

Sabemos que em nenhum momento Cristo aboliu a lei registrada no Antigo Testamento (Mat. 5: 17-18), mas quais foram os motivos que levaram Cristo a não apedrejar a mulher adultera (Jo. -8:1-11)?

O primeiro problema no cenário da mulher adultera é que a Lei prescreve que, no caso de adultério, a pena de morte deveria ser aplicada ao casal adultero (Deut.22:22), não apenas a mulher, e os fariseus trouxeram apenas a mulher para ser apedrejada. Isso constitui um erro grave para aplicabilidade da Lei de Deus.
Além deste grave problema, na apresentação dos transgressores da lei, a Lei de Deus prescreve que é preciso existir idoneidade das testemunhas, o transgressor da Lei não pode ser acusado apenas por uma pessoa (Deut.19:15), também cabia as testemunhas arremessar as primeiras pedras (Deut. 17:7). Quando Jesus afirma: “Se algum de vocês estiver sem pecado, seja o primeiro a atirar pedra na adultera”, ele ordena as testemunhas jogarem as pedras, contudo, as testemunhas não atiram as pedras, isso confirma que as testemunhas não se encaixavam no que a Lei classificava como boas testemunhas, ou seja, não eram pessoas idôneas, eram falsas testemunhas e falso testemunho implica em pena capital (Deut. 19:19).

Outro problema ocorre na aplicabilidade da pena capital. Sabemos que apenas os magistrados podem aplicar a Lei (Romanos 13:1-7), logo, nem Cristo, nem os fariseus eram autoridade magistrada para aplicar a pena capital à mulher adultera, mesmo que todas as obrigações da Lei fossem cumpridas, apenas o governo Romano poderia aplicar a pena capital.


5 - A teonomia tenta impor uma moralidade e uma ética cristã mesmo em pessoas ímpias?

É complicado afirmar que a Teonomia impõe a moralidade, mesmo sabendo que toda Lei é composta de moralidade, mas podemos dizer que, através da influência bíblica, a Teonomia tenta influenciar o Estado, a cultura, a política e outras áreas da sociedade com a verdade.

No cenário atual, temos aquilo que podemos chamar de Humanismo, e do outro lado a Teonomia. O Humanismo coloca o homem no centro, e legisla a partir do próprio homem, isso faz com que as leis sejam norteadas pelo coração corrompido humano, criando assim leis com meias verdades, e até leis totalmente ímpias.

Já a Teonomia, tem como base uma verdade absoluta, a Escritura, e visa influenciar toda realidade com essa verdade inerrante.

A questão em si é, vamos ser norteados com leis relativas que mudam diariamente, ou a partir da imutabilidade da Lei de Deus? 

Essa resposta irá definir nosso pressuposto.
As leis Teonômicas não obrigam o ímpio a segui-las, mas traz a perfeita vontade de Deus para o equilíbrio da nação, como o texto bíblico diz: Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor (Sl. 33:12).


Inclusive, um dos propósitos da Lei é refrear os ímpios (1 Tm 1.9-10), mesmo que isso não leve à regeneração, é uma prescrição necessária para a ordem social. E sabemos que, os indivíduos que temem a Lei são os homens maus, pois a Lei e as autoridades que a aplicam, corrige os maus (Romanos 13:3).



Bibliografia:

http://www.barrabaslivre.com/2013/02/calvino-e-lei.html

https://resistireconstruir.wordpress.com/2012/09/16/a-sombra-de-cristo-na-lei-de-moises/

https://resistireconstruir.wordpress.com/2014/04/20/a-diferenca-entre-as-leis-morais-e-as-leis-civis/

https://resistireconstruir.wordpress.com/2014/04/20/o-pecado-e-os-tres-aspectos-da-lei/
https://resistireconstruir.wordpress.com/2012/10/12/ensinando-todo-o-conselho-de-deus/

http://www.monergismo.com/textos/politica/origem-desenvolvimento-governo--civil_demar.pdf

http://www.monergismo.com/textos/lei_evangelho/teonomia-mulher-adultera-pena_bahnsen.pdf

http://olharreformado.blogspot.com.br/2013/07/teonomia-conversao-e-coersao.html

terça-feira, 1 de março de 2016

O saudosismo pentecostal¹ militante.





Em nenhuma outra época no Brasil houve tanta militância como hoje. Mas o formato da militância contemporânea é totalmente diferente da tradicional. Os ativistas de hoje não costumam fazer algo prático, pelo contrário, lutam por tudo e por todos, sentados em suas cadeiras confortáveis, ou conectados através de seus celulares. Essa é a geração do ciberativismo, cujo o mesmo implica numa mobilização e politização virtual. Este tipo de luta é fruto de uma espécie de nova democracia e acessibilidade que o mundo virtual proporciona.

Hoje, qualquer pessoa com acesso à internet pode opinar, criticar, criar, protestar e produzir conteúdo, mesmo que este conteúdo não seja algo de qualidade.

Ser um ativista virtual se tornou cultural, e como a cultura costuma influenciar diretamente a religião, temos hoje, no cenário religioso brasileiro, ativistas confessionais.

Um dos nichos confessionais que vem se destacando neste combate virtual são os pentecostais. Os carismáticos que antes tinham aversão ao estudo ou debate intelectual, hoje, além de produzir material teológico, mergulham fundo no debate e ativismo nas redes sociais.

Uma das características dessa produção intelectual pentecostal é o saudosismo, ou seja, nos debates, artigos e textos pentecostais, ocorre um apelo ao passado, como se em tempos anteriores, o movimento pentecostal fosse inerrante ou em certo sentido, menos problemático.

Ao apresentar críticas, equívocos e problemas no movimento pentecostal, os militantes costumam responder da seguinte forma: “Mas no pentecostalismo clássico não era assim”, como se as palavras “pentecostalismo clássico” fossem mágicas e apagassem todos os problemas deste movimento avivalista moderno.

Mas o que é o pentecostalismo clássico?

Pentecostalismo clássico é a forma com que o teólogo José Bittencourt Filho classificou o avivamento pentecostal no Brasil. Este autor chama de pentecostalismo clássico as igrejas originadas de forma direta do movimento pentecostal Norte-Americano (Assembleia de Deus, Congregação Cristã, Igreja de Deus e Igreja Pentecostal; estas duas últimas são igrejas minúsculas, com poucos ou nenhum registro bibliográfico). E classifica como Pentecostalismo Autônomo as igrejas que seriam dissidentes das clássicas e/ou formadas em torno de lideranças fortes (Igrejas Casa da Bênção, Deus é Amor, Evangelho Quadrangular, Maranata, Nova Vida, Brasil para Cristo, Universal do Reino de Deus).
No Brasil, a primeira igreja fundada e classificada como parte do pentecostalismo clássico é a Congregação Cristã do Brasil (CCB). O fundador dessa igreja é o missionário Luigi Francescon, seguidor de Durham[2].

Francescon era antigo membro da Igreja Presbiteriana Italiana de Chicago, que após ter contado com o pentecostalismo Norte Americano, foi guiado, por meio de revelações divinas, até a Argentina e logo após para o Brasil, iniciando nos Estados de São Paulo e Paraná a Congregação Cristã no Brasil.

A Congregação Cristã do Brasil é marcada por ser exclusivista, ou seja, para os fiéis dessa congregação, somente a sua organização religiosa pertence a Deus e as demais não. Este tipo de ensinamento gera o proselitismo. Pois como os membros da CCB consideram outros cristãos como perdidos, costumam ir até estes “perdidos” e pregar as doutrinas da CCB, para que haja uma real conversão.
Por considerar os outros cristãos, inclusive os protestantes como ímpios, na CCB todo novo membro deve receber um novo batismo, mesmo que já tenha sido batizado e professado a fé em outra denominação.

Uma das características do pentecostalismo clássico é o desprezo ao estudo. Os pentecostais clássicos acreditam que o Espírito Santo, de forma sobrenatural interfere na razão do fiel, dando a ele o conhecimento necessário para o ensino, e este pensamento reflete-se na CCB. Diferente da cosmovisão bíblica (João 5:39), para os líderes da CCB o estudo da Escritura é algo carnal e proibido, logo o membro deve se abster de tal prática.

Outro enorme problema na CCB é o legalismo (uma característica comum dentro do pentecostalismo clássico), além de obrigar as mulheres usarem véu dentro do templo, existe toda uma cartilha de usos e costumes, ou seja, o membro que não se vestir como a liderança prescreve, é considerado como não salvo. Além disso, a ênfase na salvação por obras nessa denominação é algo latente. Os líderes da CCB acreditam que devemos praticar boas obras para sermos salvos, diferente do que a Escritura ensina: somos salvos, e por este motivo praticamos boas obras (Lucas 6:43-44).

A segunda igreja relevante do Pentecostalismo Clássico é a Assembleia de Deus (AD). Esta denominação foi fundada no Brasil por Daniel Berg e Gunnar Vingren, dois suecos, que também, através de relações divinas, deixaram a frígida Nova Iorque, no dia 05 de novembro de 1910, a bordo do navio Clement, com destino à cálida Belém do Pará, com a intenção de praticar missões no Brasil.
Ao chegar à cidade de Belém, Estado do Pará, foram alojados no porão de uma Igreja Batista, cujo pastor também era de origem sueca. Passado alguns meses, após terem aprendido a língua portuguesa, os suecos provocaram uma cisão naquela Igreja e, com 19 membros que participaram daquela cisão, fundaram a Missão Fé Apostólica, cujo nome após 1914 foi alterado, para Assembleia de Deus.

A ênfase assembleiana era primordial no batismo com o Espírito Santo (glossolalia[3]), a cura, testemunho pessoal e a santidade das pessoas.

O culto na AD gira em torno do seu “mito” fundante, a saber, o evento bíblico descrito em Atos 2. A liturgia gera uma ligação direta com o tempo das origens, o evento de Pentecostes. Ocorre um rompimento com a racionalização ensinada pelas igrejas tradicionais e isto soa como uma aversão ao que Paulo ensina (Romanos 12:1), o culto racional, já que a experiência emocional é na maioria das vezes colocada em destaque. 

A busca pelo sentir algo de Deus é notável, e o fiel que não sente este mover místico é sempre classificado como frio ou incrédulo.
Outro ponto para considerar é o batismo com Espírito Santo. Fiéis da AD que não tiveram essa experiência mística, são diretamente tratados com preconceito. Até mesmo cargos eclesiásticos não podem ser atribuídos aos fiéis sem o Batismo com o Espírito Santo. Até os dias de hoje, esta lei é respeitada na maioria das denominações da AD.

A experiência pessoal é tão valorizada dentro do arraial da AD, que um dos pontos principais da pregação é o testemunho. No início da AD, toda preleção era moldada em cima do testemunho pessoal.
Os fieis da AD costumavam sempre começar uma pregação com o jargão: “No dia em que me converti”. Em si a prática do testemunho não é errada, mas usar experiência pessoal como uma espécie de doutrina é problemático, pois a experiência em si não é inspirada por Deus e pode trazer lições pragmáticas não bíblicas.
Mais uma marca dos erros do pentecostalismo clássico dentro da AD é a ênfase na cura. Até mesmo cessacionistas moderados não duvidam que Deus possa curar, mas dentro da AD, Ele parece ser obrigado a curar, ou melhor, se a cura não ocorre isso pode ser um problema com o fiel, que não teve fé suficiente para mover Deus. Este sinergismo era pregado no pentecostalismo clássico. Em si, essa doutrina deu origem a teologia da prosperidade. Neste contexto, o jejum era usado como barganha para que ocorra cura e para receber bênçãos.

Uma barganha comum dentro da AD se da em nome das ofertas. Diferente da tradição ortodoxa, a AD acredita que as ofertas podem mover Deus, e tornar o fiel prospero e atrair benção. Na Escritura, a oferta nunca foi considerada uma moeda de troca, pois Deus não precisa de nosso sacrifício.
Outra marca do culto da AD, desde os primórdios, é o apelo, doutrina elaborada pelo teólogo Charles Finney[4]. Esta prática consiste em levar o indivíduo a ter uma confissão de fé instantânea. No final dos cultos pentecostais, ocorre uma espécie de clímax psicológico e dentro deste clima, os estranhos são convidados a decidirem-se por Cristo. O apelo emotivo é extremamente problemático, pois grande parte dos estranhos são constrangidos a dizer sim para a mensagem do evangelho, ao invés de serem convertidos através da conscientização bíblica.

Quando o tema é cosmovisão, dentro do movimento pentecostal temos outro problema. A cosmovisão dos primeiros líderes e fiéis da AD sempre foi filtrada através de uma espécie de maniqueísmo[5], ou seja, entende-se que existe uma luta entre o bem (Deus) e o mal (O Diabo) e tudo que é secular é atribuído ao diabo, mas tudo que é considerado pela liderança como bíblico, é sagrado. Este filtro superficial e legalista, norteou a AD desde sua origem até os dias de hoje. Este maniqueísmo gera uma cartilha de usos e costumes. Na sua origem, AD sempre pregou como algo inerrante a doutrina de usos e costumes.  Os líderes pentecostais determinavam como os fiéis deveriam se vestir, os locais que deveriam frequentar, qual lazer era lícito praticar, quais posicionamentos políticos deveriam ter e até mesmo os utensílios eletrônicos que poderiam ter em casa. No começo a AD proibia o uso de aparelhos de TV. O purismo moral e legalista da AD afasta-a das manifestações culturais do povo; e dentro deste arraial ocorre uma espécie de perseguição às falhas dos fieis, isso acaba criando uma legitimação coletiva, tornando o legalismo como uma verdade.
Todo este cenário se acentuou com a autonomia da AD em relação aos suecos (os fundadores). No ano de 1930, a Missão Sueca, que regia a AD nacionalizou a obra. A primeira Convenção Geral da AD, em Natal de 1930, assistida por 11 missionários suecos e 23 líderes brasileiros entregou todos os templos e salões de reuniões da AD aos líderes brasileiros.

Ao entregar a liderança aos brasileiros, os pastores que estavam inseridos dentro de uma cultura rural autoritária, criaram uma espécie de Episcopalismo Vitalício, que passava de pai para filho. Os pastores líderes eram como caciques ou coronéis e aquilo que ditavam era lei, mesmo que contrariasse a Escritura, mas para não soar como algo extra bíblico, as ordenanças mais exóticas já eram justificadas por textos fora do contexto, pratica que reflete até hoje dentro das ADs.

Os teólogos pentecostais militantes deveriam pensar em tudo que foi exposto acima, antes de afirmar que o pentecostalismo clássico era algo genuinamente bom e bíblico.  Ignorar os erros do passado, nos leva a cometer os mesmos erros.

O movimento pentecostal clássico teve sua relevância na história do cristianismo, mas este movimento nunca colocou a Escritura em primeiro lugar. Até os dias de hoje, a tradição pentecostal, opinião do pastor e a experiência têm mais valor que a palavra de Deus. Enquanto a Escritura não for colocada como premissa dentro do pentecostalismo, ele continuará fadado ao fracasso.



Bibliografia

ALENCAR, Gedeon. Assembleia de Deus: origem, implantação e militância (1911-1946). São Paulo: Arte editorial, 2010.
CAMPOS, Leonildo Silveira e GUTIÉRREZ, Benjamin F; (orgs.). Na força do Espírito: os pentecostais na América Latina: um desafio às igrejas históricas. São Paulo: Pendão Real, 1996.
FRESTON, Paul. Breve História do Pentecostalismo Brasileiro in Nem Anjos, Nem Demônios: interpretações sociológicas do pentecostalismo, Petrópolis, Antoniazzi, Alberto et alli. Vozes, 1994.
FRESTON, Paul. Protestantes e Política no Brasil: da Constituinte a Impeachment, São Paulo: UNICAMP, 1993.
MARIANO, R. Neopentecostalismo: os pentecostais estão mudando. 1995. Dissertação (Mestrado em Sociologia)– Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.
PASSOS, João Décio. Pentecostais: origens e começo. São Paulo, Paulinas, 2005. 






[1] O pentecostalismo é um movimento de renovação de dentro do cristianismo que coloca ênfase especial em uma experiência direta e pessoal de Deus através do Batismo no Espírito Santo.
[2] William H. Durham foi fundador da igreja Missão da Avenida Norte (North Avenue Mission - 1907) nos EUA, um expoente do movimento pentecostal Norte Americano.
[3] Os pentecostais afirmam que o falar em línguas é o sinal visível que alguém que fora batizado com o Espírito Santo, ou seja, o fiel é envolvido por uma força mística enviada por Deus, e assim fala novas línguas, nem sempre inteligíveis.
[4] Charles Grandison Finney foi um pregador, professor, teólogo, abolicionista e avivalista estadunidense, um dos líderes do Segundo Grande Despertar
[5] Maniqueísmo é um dualismo religioso sincretista que se originou na Pérsia e foi amplamente difundido no Império Romano (sIII d.C. e IV d.C.), cuja doutrina consistia basicamente em afirmar a existência de um conflito cósmico entre o reino da luz (o Bem) e o das sombras (o Mal), em localizar a matéria e a carne no reino das sombras, e em afirmar que ao homem se impunha o dever de ajudar à vitória do Bem por meio de práticas ascéticas, esp. evitando a procriação e os alimentos de origem animal.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Ariovaldo Jr, o Lucinho Barreto "Reformado"


Lucinho Barreto é um pastor muito conhecido no meio neopentecostal e está locado na Igreja Batista da Lagoinha, que ficou famosa em todo Brasil devido ao grupo de louvor Diante do Trono.

 Barreto é famoso no meio dos jovens evangélicos brasileiros por praticar atos que ele denomina de loucuras para Cristo, feitos um tanto exóticos que chama atenção desde os neopentecostais até os cristãos reformados.

Do outro lado, mas com um pouco menos de fama, está Ariovaldo Jr. o teólogo do mundo real (ele se intitula assim), palestrante e autor da paródia Freestyle da Bíblia.

Jr. é líder de uma Igreja chamada Manifesto Missões Urbanas (Ministério Sal da Terra) em Uberlândia-MG, onde reside. Ariovaldo Jr. tem um canal no youtube e no facebook onde divulga conteúdo e comenta sobre Redução da Maioridade Penal, Divórcio passando por Namoro de Côrte até Missão Integral, e sua fama se deu com o lançamento da paródia Freestyle da Bíblia[1].

Os dois líderes evangélicos têm características muito comuns, as principais se dão através da forma que legitimam suas práticas, que quando colocadas em relação às Escrituras, deveriam ser repudiadas.

Lucinho, para validar suas loucuras feitas por Cristo se utiliza do pragmatismo, meios carnais, não confiança nas Escrituras e como consequência cria um exército de fãs cegos que defende ele a todo custo. Ariovaldo Jr. usa dessas mesmas ferramentas.

O ápice do pragmatismo de Lucinho Barreto se deu quando ele fez uma campanha para que os jovens cheirassem[2] suas bíblias, em um ato profético. Ato validado pelo pragmatismo, aquilo que dá certo e funciona é a verdade, este ato profético se auto validou através da multidão de jovens que aderiram ao movimento e inundaram as redes sociais de fotos cheirando[3] a palavra de Deus.
Já o pragmatismo do Ariovaldo Jr. ocorre com a paródia Freestyle, onde todo conteúdo textual é adaptado para a cultura da chamada geração Y[4]. Desrespeitando o texto original, essa paródia traz palavras torpes, palavras chulas, piadas com o texto bíblico e distorções em relação ao sentido original do texto[5], tudo isso para atrair as pessoas. Este método acaba tentando validar em si o seu próprio método, afirmando que essa forma é eficaz, pois atrai certo tipo de público, aí está o pragmatismo, a paródia Freestyle tenta se validar com o argumento que ela funciona e traz resultados.

O que deve reger a vida do cristão e sua doutrina não é o pragmatismo, mas a Escritura.

Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ministrar a verdade, para repreender o mal, para corrigir os erros e para ensinar a maneira certa de viver; a fim de que todo homem de Deus tenha capacidade e pleno preparo para realizar todas as boas ações.
II Timóteo 3:16-17

Dentro ainda do contexto da paródia Freestyle estão os meios carnais[6]. O autor[7] desta paródia insere no texto palavras imundas que a Escritura proíbe a utilização:

Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. (Efésios 4.29)
Não haja obscenidade nem conversas tolas nem gracejos imorais, que são inconvenientes, mas, ao invés disso, ação de graças. (Efésios 5.4)
Mas agora, abandonem todas estas coisas: ira, indignação, maldade, maledicência e linguagem indecente no falar. (Colossenses 3.8)

Como desculpa, o autor usa da linguística pós-moderna, afirmando que as palavras em si não carregam significado objetivo, mas varia o significado a partir da intenção de quem pronuncia, logo, quando uma palavra torpe é dita sem a intenção de ofender, ela automaticamente se esvazia do sentido infame. Essa escola linguística em si é uma falácia, pois joga as palavras para um lado extremamente subjetivo, partindo dessa subjetividade, nem mesmo um diálogo simples faria sentido, já que os interlocutores não sondam a intenção do outro, mas obtém significados a partir da etimologia[8] que as palavras ditas e escritas trazem, ou seja, é impossível negar que palavras obscenas não carregam em si um significado etimológico, claro, algumas palavras se tornam torpes quando usadas para agredir, mas outras em si mesmo já são torpes.

Os meios carnais usados pelo Lucinho ocorrem em suas pregações. A mais exótica ocorreu no dia 06/12/14, quando Barreto se vestiu de Chapolin Colorado[9] na Igreja Batista da Lagoinha e começou a pregar. Ovacionado pelos seus fãs por esta atitude, que em si é apenas uma forma egocêntrica e carnal de se expor, no púlpito o pseudo-pastor inunda seu discurso com piadas, gestos exagerados, gritos, expressões corporais, gargalhadas sem fim, típico de showman. Esta postura demonstra de forma clara, o uso de meios carnais para atrair atenção do público.

Se você usa meios carnais para atrair homens, você vai atrair homens carnais, e você terá que usar meios carnais ainda maiores para mantê-los na igreja.     
                         
                                                                                Paul Washer[10]                                                                                                                                            
A não confiança na Escritura pelo Ariovaldo Jr. ocorre na produção da paródia Freestyle. Um cristão legitimo confia que a conversão das pessoas vem através da pregação, exposição e leitura do texto bíblico, sem necessidade de alterar o seu significado. A fé vem pelo ouvir a palavra de Deus (Romanos 10:17), não através do ouvir uma adaptação da palavra de Deus.

Adaptar a Escritura ao público demonstra a não confiança na inerrância e autoridade Bíblica, ao inundar o texto bíblico de pressupostos pessoais não inspirados, o líder alternativo Ariovaldo Jr. confirma sua incredulidade em relação a ortodoxia textual bíblica.

Como afirmou Driscoll em seu livro Reformissão (2009):

Cultura + Igreja – Evangelho = Liberalismo

Ao mudar o texto bíblico, o evangelho é retirado da Escritura, isso cria igrejas que soam culturalmente relevantes, que se preocupam mais em se envolver com a cultura, mas acabam negligenciando o Evangelho. Estes liberais amam mais seus irmãos alternativos, do que a Escritura.
Barreto por outro lado, pratica a eisegese, inserindo[11] o significado que deseja aos textos bíblicos, ao invés de usar a exegese, que extrai o significado do texto. Isso cria mensagens inundadas de anomalias e afirmações pessoais extras bíblicas.

E por último, estes personagens da cena evangélica brasileira são considerados pelos seus seguidores como uma espécie de Messias. Os partidários acreditam que estes líderes possuem virtudes que nenhum outro líder tem, pois seu carisma hipnotiza os seguidores. São tratados como divindades, e estão acima do Bem e sobre o Mal, e suas afirmações são inquestionáveis. De um lado está o Ariovaldo Jr. com ironias e piadas que são ovacionadas pelos seus fieis e do outro lado Lucinho Barreto e seus zumbis que repetem sem parar o famoso não julgueis[12].

Os seguidores destes dois falsos profetas não são meras vítimas, mas são cúmplices e recebem o juízo de Deus, pois não amam a Deus, mas amam e encobrem a iniquidade de seus líderes.

Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências;
 II Timóteo 4:3

Faço um apelo aos jovens, fujam destes dois falsos profetas, não sejam como meninos inconstantes que são levados por todo vento de doutrina, e pelo engano de homens que agem com astúcia e de forma fraudulosa (Efésios 4:11–14).










[1] Este artigo comenta e demonstra os problemas com essa paródia https://resistireconstruir.wordpress.com/2013/03/14/uma-abominacao-chamada-biblia-free-style/
[2] https://www.youtube.com/watch?v=fLuAZFKs-PY
[3] http://www.cidadeverde.com/noticias/editor/assets/jun13/padre-marcelo-rossi-jesus-uma-bencao-nao-pode-ser-comparado-a-droga-03.jpg
[4] Geração Y, é a geração das pessoas que nasceram após os anos 80, são as pessoas conhecidas também por serem chamadas de geração do milênio ou geração da Internet, que surgiu exatamente por essa época. A geração Y é conhecida por ser uma geração que vivenciou muitos avanços tecnológicos, crescimento de diversos países, que acabaram tornando-se potências mundiais.
[6] https://www.youtube.com/watch?v=3bXD-4X4idM
[7] Aqui eu cito apenas um dos autores mais o “pastor” Burjack ajuda na criação desta paródia.
[8]  Estudo da origem e formação das palavras de determinada língua.
[9] http://bereianos.blogspot.com.br/2014/12/quem-podera-nos-defender-dos-excessos.html#.VdTtU7JVhBc
[10] https://www.youtube.com/watch?v=3bXD-4X4idM
[11] http://renatovargens.blogspot.com.br/2014/04/razoes-porque-o-pr-lucinho-esta.html
[12] http://tempora-mores.blogspot.com.br/2011/07/e-proibido-julgar.html

terça-feira, 28 de julho de 2015

Resposta ao Bispo Walter McAlister II - O que é Teonomia?



Até mesmo cristãos piedosos podem cometer equívocos.
                                                       Augustus Nicodemus


Não é de hoje que cristãos piedosos cometem enganos. No ano de 388 d.C. Agostinho de Hipona (354-430), recém convertido ao cristianismo, escreveu a obra "Sobre a Livre Escolha da Vontade", que declara literalmente a existência da liberdade humana, a saber, o livre arbítrio.
Só que mais tarde, no ano 397, em seu livro Confissões, Agostinho volta atrás e demonstra através de sua história pessoal que o homem é totalmente dependente e escravo de sua vontade pecaminosa, e só uma força Divina pode influenciar e mudar este desejo pecaminoso.

Como já apresentado aqui, no dia 24 de julho de 2015, o Bispo Primaz da Igreja Cristã Nova Vida, Walter McAlister, publicou em seu canal do youtube um vídeo com o título “O que é Teonomia?”, mas quando questionado por diversos amigos e teólogos, voltou atrás, retirando o vídeo do ar e prometendo uma resposta mais coerente. Ontem,dia 27 de julho, foi publicado o vídeo revisado[1] sobre Teonomia.

O Bispo começa o vídeo agradecendo aos teólogos e jovens que estão sempre ao seu lado, observando sua teologia e em alguns momentos examinando o seu conteúdo teológico.
O primeiro ponto que o Bispo aponta é o seguinte. Ele afirma que a Teonomia é uma vertente dentro da visão pós-milenista.

É um tanto complicado fazer essa afirmação, pois a Teonomia pode caminhar sem e com o pós-milenismo. Na verdade todos os cristãos deveriam ser Teonomistas, inclusive que não são pós-milenistas.

Pois existem apenas dois pressupostos quando alguém cria regras, normas ou  leis civis.
O legislador no momento de criar as leis civis tem como opção adotar a autonomia ou a teonomia. Ou legislamos a partir de uma cosmovisão independente de Deus, ou legislamos a partir de uma cosmovisão Divina, somente um néscio prefere os homens a Deus.

A cosmovisão autônoma é tão problemática, que sempre estará manchada pelos efeitos noéticos da Queda. Já a cosmovisão Divina, sempre nos irá trazer luz, plenitude e perfeição.
Na metade do vídeo, o Bispo faz uma distinção entre leis permanentes, que seriam os dez mandamentos e lei levíticas, que não seriam permanentes. A divisão correta para as leis do Antigo Testamento não é essa, mas esta:

1 – Leis Civis – Representa a legislação dada por Deus.
2 – Leis Religiosas ou Cerimoniais – Representam as cerimônias que apontam para Cristo.
3 – Leis Morais – Representam a vontade de Deus para com o homem, no que diz respeito ao seu comportamento e deveres principais.

As Leis Teonômicas então no primeiro grupo de leis citadas acima, e não existe um texto bíblico claro dizendo que estas normas foram abolidas, pelo contrário, como demonstrado no artigo anterior[2], existem textos que confirmam a autenticidade delas no tempo presente.
Por fim, McAlister diz que os teonomistas são sabatistas. Isso não é uma realidade teonômica. No Brasil, os teonomistas seguem aquilo que os reformados ensinaram a observância do domingo[3].

Assim, é possível concluir que o Bispo McAlister continua equivocado em relação a teonomia, mas isso não o desqualifica como cristão.
Oremos para que ele possa mudar sua cosmovisão, assim como Agostinho fez.













[1] https://www.youtube.com/watch?v=1F1X1j2yiHE
[2] http://eueateologia.blogspot.com.br/2015/07/refutacao-do-video-do-bispo-walter.html
[3] https://resistireconstruir.wordpress.com/2012/07/12/o-quarto-mandamento-joao-calvino/